5 de jan de 2015

Tarde da beleza

            “Helen, meu amor, volta pra cama.”

“Um minuto, preciso confirmar a hora do salão. Isso é importantíssimo. Alô, Fê, é a Helen, tudo bem? Olha só, meu horário das seis está confirmado, né? Ótimo, seis em ponto estou aí.”

“Quer dizer que pra me ver não precisa passar no salão antes, pra sair com o maridinho precisa...”

“Você gosta de mim ao natural, eu sei disso.”

“E que milagre é esse de vir no sábado à tarde? Aposto que fez uma lista de coisas a fazer no salão durante o almoço.”

“Provoca... isso mesmo, provoca...”

“Não adianta me olhar com essa cara de quem quer jogar alguma coisa na minha cara.”

“Estou olhando e pensando que horas vai me chupar de novo, e parar com essa conversa fiada.”



“O bom da vida moderna é isso, com esse telefone a gente traz nossas músicas e passa a tarde com uma trilha sonora só nossa.”

“Depois quero pegar essas músicas pra escutar no carro.”

“Pra escutar com o maridinho, que lindo...”

“Não, pra escutar com o Iuri!”

“E como ele tá, curto sempre as fotos dele. Tem alguma nova no celular?”

“Tenho, olha essa aqui, e essa.”

“E que milagre foi esse de não passar a tarde com ele?”

“Hoje ele ficou lendo o livro da escola com o Ma. Aposto que nem leram uma página sequer. Devem ter ligado a televisão quando fechei a porta. Hoje eu marquei meu salão justo no horário que termina o futebol, e saí de casa antes de começar o futebol, só pra ficar com você.”

“Te amo, Helen.”

“Eu também te amo, minha linda.”

“Larga ele pra lá e vamos viver juntas, com o Iuri, claro; ele vai adorar ter duas mães.”

“Não dá. Não vamos começar tudo de novo.”

“Está bem. Vem cá, me abraça, me faz carinho, diz que me ama.”

“Te amo.”

“Diz que vai desmarcar o salão e ficar mais comigo.”


“Depois a gente conversa sobre isso, meu amor.”

Um comentário:

Anônimo disse...

Kkkkk... Como sempre supreendendo.
Sim. Eu ainda me surpreendo.
Ass.: Ana Cris Nunes