25 de mar de 2011

Entre Estrelas com Lenine

Boa noite amigo telespectador, eu sou a Mirian Jordão, jornalista pós-graduada em entrevistas com estrelas, mestrado na mesma área com a dissertação Como entrevistar um super-star sem deixá-lo constrangido, e doutora nos Estados Unidos, onde existe o maior número de estrelas no mundo. Minha tese foi Estrela Cadente?, salvo o trocadilho, sobre as personalidades que ficam famosas nos reality shows. Meu entrevistado de hoje é ninguém menos que o cantor, compositor, produtor, Lenine. Boa noite Lenine, tudo bem? Como você sabe, aqui já começamos com perguntas fortes, e a primeira é a seguinte, você tem uma carreira consolidada, com muitas músicas que emplacaram e são sucesso garantido; e sem falar que o cachê está altíssimo. Foi tudo planejado?

Muito do que faço não penso, me lanço sem compromisso / Vou no meu compasso, danço, não canso, a ninguém cobiço / Tudo o que eu te peço é por tudo que fiz e sei que mereço / Posso e te confesso, você não sabe da missa um terço. [pausa, reflexão] Dentro do meu peito um desejo martelo, uma vontade bigorna.


Por produzir bastante, compor bastante, é claro que acaba ouvindo muitas críticas. E muitas vezes é comum o artista ficar chateado. E por coincidência, num dia assim, alguém pode encontrá-lo na rua, pedir para tirar uma foto e seu sorriso não está como de costume. Já aconteceu isso? O que dizer ao fã numa situação dessas?


Quando o mar não ta pra peixe jacaré vai de canoa / quando a banda não é boa vai play-back e tudo bem / Nesta vida sempre tem uma surpresa de emboscada / muita carta foi marcada e muito jogo se perdeu / Estranho, bizarro / tudo isso aconteceu / acredite ou não / normal só tem você e eu.


Hoje nós vivemos uma situação interessante, concorda comigo? Cada um quer falar o que acontecerá com o mundo daqui a poucos anos – quiçá poucas horas. Todo mundo tem uma receita, uma fórmula mágica para salvar o mundo, ou para anunciar o fim do mundo. O que pensa sobre isso? Também tem uma dica para melhorar o mundo?


Os anjos, os exterminadores, os velhos jogando bilhar, o Vaticano, a CIA, o boy que controla o radar, anarquistas, mercenários, quem é e quem fabrica notícias, quem crê na reencarnação, os clandestinos, os ilegais, os gays, os chefes da Nação, ninguém faz ideia de quem vem lá...


Como é bom conversar com uma estrela tão iluminada como você, Lenine. E agora é a vez de nosso amigo telespectador participar do Entre Estrelas com uma pergunta direta para este grande artista, Lenine. Vamos ao que diz no e-mail o telespectador José: “Lenine, primeiramente é um prazer poder falar com você. Meu negócio é o seguinte, sou péssimo para me expressar e preciso dizer a uma garota que não rola mais nada entre nós dois. Não dá mais, está muito desgastada nossa relação; às vezes parece uma relação de aparência, a nossa. Um abraço, mande um abraço para BH”. Agora eu quero ver, Lenine...


Somos somente a fotografia / dois navegantes perdidos no cais / distantes demais / somos instantes, palavras, poesia / dois delirantes ficando reais / Distantes demais / Noites de sol, loucos de amar / quem poderia nos alcançar / eu e você, sem perceber / fomos ficando iguais / longe / distantes demais


Realmente José, não há nada melhor que isso para dizer a ela. E aproveita esse nosso pequeno intervalo comercial para falar essas lindas palavras do nosso convidado especial Lenine. Nós vamos a um rápido intervalo e voltamos já. Não deixe de participar do nosso programa através do saite do programa. Entre, mande uma pergunta, diga algo para nossa estrela de hoje. Não saia daí, voltamos em um minutinho.

(Cinco minutos depois)

Boa noite amigo telespectador, eu sou a Mirian Jordão, jornalista especializada em entrevistas com estrelas, mestrado na mesma área com a dissertação Como entrevistar um super-star sem deixá-lo constrangido, e doutora nos Estados Unidos, onde existe o maior número de estrelas no mundo. Minha tese foi Estrela Cadente?, salvo o trocadilho, sobre as personalidades que ficam famosas nos reality shows. Meu entrevistado de hoje é ninguém menos que o Lenine. Nós vivemos num mundo em que tudo é imediato, as pessoas procuram o prazer rápido, quase que instantâneo. Como viver nesse mundo?


Enquanto o tempo acelera e pede pressa / eu me recuso, faço hora, vou na valsa / a vida é tão rara. / Enquanto todo mundo espera a cura do mal / e a loucura finge que isso tudo é normal / eu finjo ter paciência. / O mundo vai girando cada vez mais veloz / a gente espera do mundo e o mundo espera de nós / um pouco mais de paciência. [pausa, reflexão] Será que é tempo que lhe falta pra perceber? / será que temos esse tempo a perder? / e quem quer saber? / a vida é tão rara.


Lenine, existe hoje uma prepotência por parte dos cientistas – e da sociedade em geral – em relação aos artistas, que são chamados de vários nomes pejorativos, e a arte também é encarada muitas vezes de forma equivocada, uma viagem (causada ou não pelo incentivo do uso de drogas). Muitas vezes o artista é tratado como aquele ser que vive fora da realidade, com seus sentimentos à flor da pele. Será que esse mundo mecânico prevalece? As pessoas viveriam sem os artistas e suas artes?


Quem desata o céu da terra / desfere a flecha, rasga o ar / tira a luz da treva, razão a terra, erra, desatina amor. [pausa, reflexão] Quem desarrazoa a quem / abraça o rio, arrasta o raio / quem avassala o medo, repete o erro, erra sem destino amor / faz qualquer coisa de mim / quebra pedra com seu sim, arrepia o pelo, derrete o gelo / erra, desatina amor / quem move o mundo todo sendo sentimental.


Agora é nossa telespectadora de Porto Alegre quem faz a pergunta pela internet. Quero aproveitar e dizer que nosso chat está bombando, está todo mundo mandando perguntas para o Lenine, e infelizmente não podemos fazer todas no programa. Vamos ao que diz nossa amiga Vivi: “Lenine, sou sua fã, me identifico muito em suas músicas. O que eu quero é saber como falar para meu ficante – que estou apaixonada – para ele respeitar minha individualidade; nem começamos a namorar e ele já me frita. Um beijo. Está sumido, venha tocar aqui quando der.”


Eu só penso em você / depois que eu penso em mim / e eu penso tanto em nós dois. Sei que é de cada um e acho até comum pensar assim de nós dois. [pausa, reflexão] Vem, não há o que pensar, melhor achar normal viver a diferença / pensa não, deixa assim que a vida pensa. [pausa, reflexão] Tanto por você, para o nosso bem / às vezes fica um com e outro sem, seja como for, somos nós e mais ninguém.


Nós vamos para o último intervalo comercial e já voltamos com essa estrela brilhante da nossa música popular. Hoje mais do que nunca este programa está iluminadíssimo com a presença do Lenine. Não saia daí que voltamos já, um minutinho e estamos de volta.

(Cinco minutos depois)


Boa noite amigo telespectador, eu sou a Mirian Jordão, jornalista e doutora nos Estados Unidos, onde existe o maior número de estrelas no mundo. Minha tese foi Estrela Cadente?, salvo o trocadilho, sobre as personalidades que ficam famosas nos reality shows. Nosso terceiro e último bloco já começa com uma pergunta do internauta: “Lenine, também sou músico e minha namorada não acredita que as músicas que escrevo são para ela. Preciso dizer a ela o quanto a amo com uma música – ela adora me ouvir tocar e cantar. O que canto a ela? Um abraço, Rafael, Foz do Iguaçu.”


Você é pra mim o sol da minha noite, é como a estrela luz de Pixinguinha / é como a estrela pura aparecida / a estrela a refulgir do Poetinha / você, ó flor, é nuvem calma no céu da alma de Luiz Vieira / você é como o sol da vida de Stevie Wonder, ó minha parceira. / Você é pra mim o meu amor crescendo como mato em campos vastos / mais que a gatinha pra Erasmo Carlos / mais que a cigana pra Ronaldo Bastos / mais que a divina dama pra Cartola / que a domna pra Ventadorn, Bernart / que a Honey Baby para Waly Salomão / que a Funny Valentine para Lorenz Hart. / Só você, mais que tudo e todas, é só você.


Eu aposto quanto você quiser que depois dessa ela vai acreditar, e mais que isso, cair em seus braços. Hoje promete! Lenine, infelizmente nosso programa chega ao fim. Eu também acho uma pena, mas infelizmente, temos que encerrar o programa. Só que antes eu gostaria que falasse sobre o que os olhos podem dizer; muitas pessoas escreveram perguntando sobre esse tema: amor e olhar – os olhos dizem muito, nós sabemos. E você, Lenine, o que pensa disso?


Nenhum aquário é maior do que o mar / mas o mar espelhado em seus olhos / maior me causa um efeito de concha no ouvido, barulho de mar, pipoco de onda, ribombo de espuma e sal. [pausa, reflexão] Às vezes eu penso que sai dos teus olhos o feixe de raio que controla a onda cerebral do peixe. / Se a rede é maior do que o meu amor, não tem que me prove. / Eu caio na rede, não tem não caia...


Agora eu que apaixonei! Lenine, muito obrigada pela presença, aposto que todos amaram este Entre Estrelas mais que especial. Saímos do ar e continuamos na internet, entre agora e comente o que achou do Entre Estrelas com Lenine. Um beijo para todos, obrigada pela audiência, e nunca se esqueça, quer estar perto da sua estrela preferida, então fique Entre Estrelas, comigo, Mirian Jordão. Beijo! Agora, com vocês, Lenine...


4 comentários:

taliska disse...

Muiiito boa essa entrevista vizim,
vc realmente conhece bem as musicas dele hein! Adoreii!

Long Haired Lady disse...

eu não conheço o trabalho do lenine, tu acreditas?

Luna Sanchez disse...

A sorte da Mirian é que o Lenine parece ter uma paciência enorme...rs

Beijo.

A Mina do cara! disse...

Tata, valeu!
beijo.

_

Long, não acredito, pode começar a curtir que vai adorar...
beijo.

__

Luna, comentei com o Lenine e ele disse assim: "eu finjo ter paciência"...
beijo


___

E você, gostou?
Beijos e mais beijos e lembre-se, A Mina do Cara te ama!