3 de dez de 2013

O preconceito da FIFA é mole

O preconceito da FIFA é mole perto do que passamos no Brasil real. Pense você, quantos casais negros já foram os principais na novela das 9 da Globo?

O preconceito da FIFA parece existir de verdade ao escolher um casal branco para a cerimônia da Copa. Você se perguntou por que não o Pelé? Afinal, ele é o Pelé, o esporte é futebol, no Brasil. Por que não o Pelé? Será que ele entregará a taça?

O preconceito da FIFA pegou até os brancos. Queria ver se os brancos sentiriam o preconceito que eu já passei, enquanto questionado pelos porteiros se eu estava ali para fazer algum serviço, e eu dizia, não senhor, sou morador na casa tal. E se fosse você passeando com seu cachorro na sua rua e uma vizinha perguntasse se é adestrador, o que faria? Eu apenas respondi, não, é minha cachorra.

O preconceito da FIFA incomodou você, eu sei, agora me diga uma coisa, as piadas de preto incomodam? Falar, de brincadeira, servicinho de preto, incomoda? Dizer, tinha que ser preto, incomoda? Fechar o vidro do carro ao ver um preto em sua direção.

O preconceito da FIFA é real, assim como o preconceito das redes de televisão ao não ter um negro apresentando telejornais, programas esportivos. O negro está em segundo plano, na televisão. Quantos apresentadores são negros? Quantas musas da mídia são negras? Parece até brincadeira, não?

O preconceito da FIFA é mole, duro é o que vivemos no dia a dia, no Brasil real. Me diz um personagem principal que seja negro. Há pouco tempo houve um episódio e pouca gente comentou. A escolha de escritores para representar o Brasil em feira literária na Alemanha. Me diga o nome de três escritores negros.

O preconceito da FIFA é mole, duro é aguentar o estereótipo do escurinho. Ou pagodeiro, ou rapper, ou funkeiro, ou regueiro, ou rasta, ou black, ou careca - o mais comum. Preconceito, pra mim, é alisar o cabelo, fazer progressiva e mais um monte de besteiras pra ter o cabelo alisado.

O preconceito da FIFA nem é tão pesado assim, perto do que passaram as mucambas, as escravas e suas descendentes.

O preconceito da FIFA não é nada perto do negro de alma branca.

O preconceito da FIFA é fácil de esquecer, difícil será olhar o próximo negro na rua e não julgá-lo. O preconceito da FIFA é fácil, difícil é não rir das piadas de preto. O preconceito da FIFA é fácil, difícil é fazer um trabalho bem feito, e não um servicinho de preto.

Bobagem essa história de preconceito da FIFA.

Nenhum comentário: