30 de ago de 2013

Para quem escrevemos?

A pergunta realmente é essa: para quem os escritores de primeira viagem escrevem?

Às vezes parece que o livro não pode ser um entretenimento, um parceiro para momentos de espera, de solidão. Acho ótimo ter algo para ler enquanto espero no ponto, espero alguém.

Enquanto pensava na produção do meu livro eu sempre tinha em mente que meu livro deveria ser entretenimento. Não é diminuir o valor literário do meu livro.

O valor literário é decidido por duas pessoas: o autor e o leitor.

Em se tratando de primeiro livro, fica difícil saber quem é seu leitor. Como chegar ao leitor? O jeito mais difícil hoje é pelas livrarias. As portas ficam encostadas, e quando você tenta abri-las, alguém se lembra de fechar - para não entrar vento.

Apresento meu livro, digo que sou escritor. Eles dizem um valor. Eu agradeço.

Você olha desconfiado para a capa de um autor de primeira viagem? Você o consideraria bom ou ruim?

Estou com uma ideia, veja se é boa. Escrevo com pseudônimo, saio à venda como agente literário. As portas se fechariam tanto? Os olhares mudariam?

O leitor deve ser amigo do escritor.Amigo de verdade, daquele que fala bem ou mal.


Um comentário: