29 de mar de 2012

Por quem meus sinos dobram

Pego emprestado de Raulzito a frase para dar título à crônica. Acabo de voltar do cinema e assisti ao novo documentário sobre a vida do compositor. Muito emocionante. Raul Seixas acompanha minha vida desde os 12 anos. Eu era criança e tinha em minha mente inúmeras imagens poéticas das músicas. Lembro também de meu irmão aprendendo a tocar violão com músicas como Guita, Maluco Beleza.
Das imagens mais marcantes vêm das músicas “O dia em que a terra parou” e “Sapato 36”. A primeira é uma visão que lembro perfeitamente das imagens criadas. E para dar uma ideia de como eu entrava nas músicas, fui perceber o que Raul dizia com Sapato 36 muitos anos mais tarde, tão forte era em minha mente essas imagens poéticas, a imagem do menino com o pé apertado no sapato.

 Enquanto assistia ao documentário e cantava todas as músicas, minha namorada rindo, eu falei: Raul foi meu Beatles. 

Assim como Raul, ídolo geral da nação – se assim me permitem – Chico Anysio marcou minha vida. E como a de muitos, desde criança. Chico com seu humor inteligente, sarcástico, criou inúmeras peças maravilhosas, contribuiu para a cultura do País. Revendo alguns episódios, vendo imagens de sua carreira, um dia cheguei aqui e escrevi na minha mesa: O comediante é, talvez, o homem mais livre

 E agora morreu Millôr. Se eu contar que Millôr Fernandes frequenta minha casa desde antes de eu saber ler, você acredita? Pois é, li a notícia que ele morreu, e à noite peguei em minha estante um livro dele para eu ler. Todo rabiscado de giz. Qual criança nunca rabiscou um livro? 

O contato com suas crônicas, peças, traduções, enfim, sua literatura, veio mais tarde. E lembro que foi um choque, algo inovador, palavras novas, inventadas, mente livre para escrever. Passei a gostar muito de lê-lo. Um humor sensacional. E agora, depois de ler algumas frases dele pelo Facebook, escrevi na minha mesa: Será que se eu fosse humorista me levariam a sério? 

Agora você conhece quem faz meu imaginário alçar voo. E também sabe que minha mesa é toda rabiscada, cheia de anotações, poemas, frases, números de telefone, além da bagunça. 

Quero saber de você, por quem seus sinos dobram?

5 comentários:

Sandro Ataliba disse...

Primeiro: você é um comediante. No sentido de que seus textos são carregados de elementos cômicos e irônicos.

Segundo: bela forma que você escolheu para descrever suas influências. Sucinta e rica ao mesmo tempo.

Eu não sou tão fã de Raul (provavelmente sou mais do que penso ser) e estou mais para Jô do que para Chico. Mas entendo perfeitamente seus motivos.

Por que você faz poema? disse...

PIOR PARTICIPAÇÃO NO FILME

( ) Pedro Bial
( ) Caetano Veloso
( ) Nelson, arroz de festa, Mota
( ) Tom Zé
( ) Daniel Oliveira
( ) Zé Ramalho

Alline disse...

Meus sinos dobram por Neruda.

Beijo, moço!! Boa semana :)

Mina Cara disse...

Sandro, valeu pelos elogios. E sobre o Raul, cara dê mais atenção a ele, não vai se arrepender.
abraço
__

Por que?, Caetano falando de Raul é o fim da picada, pra mim.
abraço

__

Alline, tens bom gosto.
beijos

___

E aí galera da bagunça, como vão as coisas por aí? Por quem os sinos de vocês dobram?

A Mina do Cara te ama!

Hotel Crônica disse...

For whom the bell tolls
time marches on
For whom the bell tolls !!!