23 de fev de 2012

Olha a merda que deu! (13)

Carnaval na Bahia é foda! Literalmente...

Passei o ano todo buscando uma desculpa para terminar o namoro e nada convincente vinha à cabeça. Nada de útil. Passei os últimos seis meses pensando nisso, em como terminar antes do fim do ano.

Até que eu cheguei, sem saber o que ia falar, convidei-a pra comer num japa. Fomos como de costume. Sentamos de frente pra tevê, comemos olhando pra tevê, paguei com ela olhando pra tevê. Saímos com ela olhado pra tela do celular.

Sua única fala foi quando peguei o caminho de sua casa. “Não vamos ao motel hoje?”, perguntou. Não estou afim, respondi. Quero conversar.

Fomos em silêncio até sua casa. Comecei: nós já não estamos bem, não está mais legal... Aquele lenga-lenga. Até que eu não tinha mais o que falar e disse: não sou homem pra você, eu passo doze horas por dia malhando na academia, não leio nem uma hora por semana, e você só estuda e quer ter uma vida boa.

Ela foi e nós terminamos. Começou a festa.

Ano novo fui pra praia com os amigos. Uma curtição só. Beijava em média umas oito por noite. Só no axé, forró, funk. Foram quatro dias de festa. Afinal, eu mereço, trabalho o ano todo, malho o ano todo pra chegar e ficar só com uma mulher? É ruim hein...

Carnaval é onde eu me esbaldo! É pesado! Dessa vez fui de carro pra Salvador com mais três amigos, no carro; os outros foram de avião. Já tinha apartamento alugado, tudo esquematizado. Arrumei por uma ninharia; amida de ex tem que servir pra alguma coisa.

Chegamos na pilha, aquela zoeira total. Só mulher sarada querendo transar, isso é que é vida!

Entramos no prédio e era festa pura. Um monte de gringos entrando e saindo do nosso vizinho. E só entrava homem. Guardamos as coisas e fomos pra rua.

Festamos a noite inteira, bebendo e beijando. Cheguei no prédio umas sete da manhã, tinha acabado de comer uma gostosa no carro. Pisei no hall e vi um cara quase comendo uma mulher, e ainda pensei, que gostosa! Fiquei de canto olhando. Tirou o short dela, abaixou o seu, quando ele foi enfiar, ela olhou para mim. Olhou bem nos meus olhos e disse pro gringo, “me come gostoso”.

Gritei: para seu gringo desgraçado, ela é minha namorada. “Namorada?, de quem?”, ela disse.

Fui pra cima dele e ela entrou na frente. “Bate em mim, bate; você acha que só você pode curtir o carnaval na Bahia? Vá procurar suas negas.”

Com a gritaria apareceu gente de todos os apartamentos gritando “vai dormir, seu corno!”

6 comentários:

♥cinderela♥ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
♥cinderela♥ disse...

kkkkkkkkkkkk Mto bom !
Beijos meus

Sandro Ataliba disse...

Como é mesmo aquela história de "no dos outros é refresco"!? rs

Anderson Lopes disse...

Iih Rapaz... ser chamado de corno logo na Bahia?? hehee

Bom texto, velho !

Ana Carolina disse...

bom texto ;)

beijo

A Mina do cara! disse...

Cinderela, valeu!
beijos
___

Sandro, justamente...
abraço
__

Anderson, cada um carrega sua cruz, né...
abraço
__

Ana, valeu!
beijos
___

E você, viu a merda que deu?

Estou longe de blog durante a semana; o trabalho aperta e sabe como é, vida de professor não é mole.

Um beijo e um abraço e jamais se esqueçam, A Mina do Cara te ama!