8 de mar de 2010

"Meu Brasil brasileiro"

Sexta-feira estava com meu aimgo no Mc Donalds da Savassi, aqui em BH. Começou a chover e nos abrigamos ali. Para quem não conhece, ali é o miolo deste bairro. E ficamos ali passando o tempo e esperando a chuva passar.

Aquele ponto é conhecido pelos meninos e meninas pedindo comida, dinheiro. Bem ali, em frente a lanchonete. Esses meninos tinham até 9 anos, eu acho. No máximo 9 anos. E estavam ali mendigando uma sobra de sanduíche, um resto de refrigerante.

Bem ali, onde o que vale é a imagem, a marca, o nome. Bem ali, onde as paredes são de vidro e você pode conferir quem come o quê, quem deixa o molho no cantinho da boca, quem não usa o guardanapo.

E essas crianças pareciam invisíveis a alguns. Fiquei um bom tempo conversando e reparando nelas. Coitadas, a humilhação é parte natural de suas vidas, de suas refeições. Para poder comer um pedaço de alimento eles precisam pedir, e contar com a boa vontade de quem pagou caro por um pão.

Quando mudei para BH - em 2007 - fiquei pasmo com a cidade. Não estava acostumado com isso nas ruas, claramente. Em qualquer lugar que você come, na rua, aparece alguém e pede um pedaço. Se for um churrasquinho pede uma carne, se for um refri pedem um gole. Alguns não têm coração e ignoram estas crianças.

E não bastando a humilhação pelo alimento entrou em cena outra: pelo cigarro. Pois é, as crianças pedindo um trago no cigarro chegando ao fim, aquela última bola - ou trago, se prefere.
Fiquei pensando: será que um menino desses tem o direito de virar um marginal, querer roubar, até matar? Logo logo será um deles que estará fumando crack e roubando rádio de carro. E aí, a culpa é dele? Quis isso pra vida?

Não bastasse isso, saiu da loja um homem e dirigindo-se aos meninos gritou: "olha aqui, vão me deixar comer em paz ou não? Mais uma gracinha aqui e eu enfio a mão na cara de vocês, estão pensando o quê?"

O segurança veio, pediu mais uma vez aos meninos.

Mas parece que a fome não os deixava escutar.

6 comentários:

Cristina Maria disse...

É Cara, isso é o no que tem se transformado a sociedade...um mar de excluídos, uns num cruzeiro de luxo, a maioria, só fome e sede na praia...é phoda...

Hotel Crônica disse...

Taí M.C.
Não tenho a menor dúvida que esse é o principal problema de nosso país.
Estamos entre os líderes mundiais em desigualdade social. Comparável à países africanos onde há "semi-reis" do diamante de um lado e meninos subnutridos de outro.
Os custos dessa desigualdade são altíssimos para o país, e, embora seja o Brasil um país de futuro próspero, se o corpo político não trabalhar sério só o que teremos é mais do mesmo.
Só que em vez de Mc Donald's o pessoal vai tá comendo caviar.
Em vez de cigarro, charuto.
E o mendigo, revoltado, vai ter dinheiro suficiente pra comprar uma bomba e por tudo pelos ares !
Boom !

Rita disse...

E a culpa é de quem?

Fazia tempo que não enchia os olhos de lágrimas lendo um blog...

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

É, triste a cena, mas devo dizer que vc a escreveu muito bem. Não dá pra culpar ninguém nem nada. Minha cabeça dá voltas quando penso em tudo isso. e o futuro....bem, vc disse tudo. E aí? Dá pra culpar essa pessoa?

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

isso chama-se -reserva oficial de miseraveis-
não é algo natural, é algo bem pensado pelos prostitutos de terno e gravata que estão no comondo do país

Sylvio de Alencar. disse...

Para vc, é novidade... Para o povo de lá, que vê isso a séculos, não é.
O coração dos caras já está duro..., e o dos meninos: céticos.
Entraram num caminho sem saída, todos.