16 de mai de 2011

Olha a merda que deu (8)

Estava em casa sábado sem nada para fazer depois do almoço, doido para alguém me convidar para qualquer coisa. Entediado, olhando para a televisão e usando o computador para conversar e ver fotos dos outros. De repente meu telefone toca.


Era o Dalton, colega de trabalho, me convidando para um churrasco com sua namorada e uma amiga dela. Pronto, nada melhor. Troquei de roupa, peguei o carro e fui. No caminho fui pensando em como deve ser essa amiga. Parei na farmácia e comprei um pacote de camisinha – não gosto, mas não conheço a mulher, tem que usar.

Cheguei no churrasco e começamos a beber, comer, conversar. Ficamos um bom tempo assim, até que meu amigo saiu com a namorada e eu fiquei sozinho com Cláudia. Logo de cara eu disse, não aguentava mais esperar para beijá-la. Nos beijamos.

Depois de algum tempo começou o funk. Cláudia foi dançar. Parecia uma potranca dançando, aquela bunda rebolando, requebrando até no chão, coisa linda de ver. E nisso fui me empolgando com a situação, pensando em como seria no motel.

Quando parou o funk ela veio para perto de mim, fomos para um canto e voltamos aos beijos – agora eu sabia que podia apertar um pouco mais. E ali mesmo o pau foi quebrando, foi esquentando. Só não rolou sexo.

Nisso meu amigo chega e chama para irmos para outra festa. Pensei, é agora. Fomos todos para outra festa. No caminho passamos na casa dele. Ele pegou um azulzinho para cada. Mordi um pouco menos da metade, só pra garantir a performance. Quando voltei para o carro, Cláudia estava um pouco sonolenta, e eu disse, nossa festa é particular.

Toquei para o motel. Chegando lá, fui ao banheiro e quando voltei ela estava deitada, dormindo na cama, apagada de tanta bebida. Dei uns tapas para ela acordar e nada, só resmungou, vem, vamos dormir de conchinha.

Dormir de conchinha no motel é o caralho. Deixei a mulher dormindo, saí pela entrada – falei pra recepcionista, só vim deixar o pessoal aqui, abre aí que tenho pressa, não posso ser visto aqui. Voltei pra casa bêbado, com o azulzinho fazendo efeito ainda.

Cheguei em casa puto, tirei uma e fui dormir. Dormir de conchinha com funkeira? Vai pagar de santa pra outro, filha da puta.

10 comentários:

Anônimo disse...

kkkkkkkk
faz parte...

Ju Fuzetto disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Priscilla disse...

hahahahahahaha

Long Haired Lady disse...

e precisava de azulzinho?!?!?!?!?!


ps. vamos fazer sim o post. topado!

Cáh disse...

e precisava de azulzinho?!?!?!?!?!

(2)


ahahahaha, eu ri demais!

estava devendo visitas aqui, saudade de ler viu? ahahah

Um beijo Cara da mina

Alline disse...

Achei que ele ia se aproveitar da funkeira que dormia... viu? moço de caráter!

Ótimo!!!

Um beijo pra ti!

Long Haired Lady disse...

me passa tuas anotaçoes do Rubem - jotaa94@gmail.com

A Mina do cara! disse...

Valeu pelas risadas. Vocês perguntaram pelo azulzinho e eu não tenho a resposta do por que usá-lo. Na minha opinião é uma ofensa!

Alline, você viu o filme Kids, das antigas? Que o cara começa transando com moça dormindo e termina com o vírus. Aqui foi menos mal, só umazinha de leve pra não ofender mais uma mulher desta forma.

Long Hair, to mandando pelo email. Vai ficar muito legal!



E você que leu e não comentou, quero falar uma só coisa: A Mina do Cara te ama!

Andréa Franco disse...

HAUHAUHAUHAUHAUAU isso de azulzinho depõe muito contra a pessoa, viu... kkkk
e, putz, devia ter dormido de conchinha, nunca se sabe, no meio da noite vai que.. e dá-lhe azulzim!

A Mina do cara! disse...

Dea, eu não sei por que essas pessoas vão ao azulzinho, juro...


Beijo pro cê!


____


E você aí, um beijo e um abraço do cara por trás da Mina do Cara